4 de nov de 2013

♡ Laranja Mecânica por Anthony Burgess



Título: Laranja Mecânica 
Páginas: 352
Editora: Aleph
Autor(a): Anthony Burgess








Onde comprar:
Submarino / Saraiva / Cultura




Sinopse:
"Narrada pelo protagonista, o adolescente Alex, esta brilhante e perturbadora história cria uma sociedade futurista em que a violência atinge proporções gigantescas e provoca uma reposta igualmente agressiva de um governo totalitário. A estranha linguagem utilizada por Alex - soberbamente engendrada pelo autor - empresta uma dimensão quase lírica ao texto. Ao lado de "1984", de George Orwell, e "Admirável Mundo Novo", de Aldous Huxley, "Laranja Mecânica" é um dos ícones literários da alienação pós-industrial que caracterizou o século XX. Adaptado com maestria para o cinema em 1972 por Stanley Kubrick, é uma obra marcante: depois da sua leitura, você jamais será o mesmo."

Alex, um adolescente de 15 anos, agressivo e apreciador da violência gratuita, narra suas histórias ao mesmo tempo que conversa com o leitor. Ele e seus companheiros (Uma espécie de "gang" que se autointitula de Os Druguis) saem por aí batendo e estuprando pessoas inocentes, mas consideradas por eles, odiosas, até que Alex é apanhado pela polícia. Após mais ou menos 2 anos na cadeia, ele é utilizado como cobaia em um novo tratamento chamado "Método Ludovico", criado pelo Estado em busca de mudar jovens violentos, transformando-os em "pessoas do bem" (Diminuindo também a superlotação nas cadeias). O livro trás a tona o fato de nada, nem mesmo a ciência, ser capaz de mexer com o livro arbítrio de cada um, além de ser uma critica ao Behaviorismo (Conduta, comportamento. É um termo generalizado que engloba as mais paradoxais teorias sobre o comportamento).
Burgess já comentou também que o romance foi inspirado em um fato que aconteceu com a sua primeira mulher: em 1944 ela foi estuprada por 4 soldados estadunidenses. 

É difícil falar de Laranja Mecânica, principalmente porque tenho receio de ocultar alguma coisa sem querer. É um livro complexo, e somente quem lê pode confirmar isso. Enfim...
A Edição comemorativa dos 50 anos é simplesmente perfeita, e vale cada centavo. A única coisa que me incomodou um pouco foi o Glossário estar no final do livro, é sempre chato ter que ir até lá para ver o significado de alguma palavra. Já no assunto, inicialmente estranhei bastante a linguagem utilizada pelo Alex (O livro é parcialmente escrito em uma gíria chamada Nadsat), e o que me ajudou muito foi ter assistido ao filme antes de ler o livro. Mas, após algumas páginas você acaba se acostumando e associando algumas palavras, conseguindo ler naturalmente. O livro é dividido em três partes, e a edição vem com Ilustrações feitas por Dave McKean, Angeli e Oscar Grillo, que são simplesmente incríveis. Além dos extras que incluem até mesmo as primeiras páginas originais, com anotações do próprio Anthony. 
A única coisa que o filme pecou em relação ao livro foi o final, omitiram a parte que na minha opinião, foi a melhor. Não que faça muita diferença, mas eu simplesmente amei a forma como o autor finalizou o livro. Se você tem curiosidade, leia, mas recomendo que esteja ciente de que o livro tem suas partes violentas

Foto de quando recebi o livro :)






Páginas originais do autor




-Então, o que é que vai ser, hein?
Éramos eu, ou seja, Alex, e meus três druguis, ou seja, Pete, Georgie e Tosko, Tosko porque ele era muito tosco, e estávamos no Lactobar Korova...

(...) Eles não tinham autorização para vender álcool, mas ainda não havia leis contra prodar algumas das novas veshkas que costumavam colocar no bom e velho moloko...





NOTA: 5/5





G, J.